O que é telemedicina? Conheça seus principais benefícios!

Você sabe o que é telemedicina? Como o próprio nome indica, essa prática engloba todos os procedimentos médicos realizados a distância — por isso o sufixo “tele”, que, em grego, significa “distante”.

Apesar de parecer um pouco estranho para quem está acostumado com a medicina tradicional, essa tecnologia já está presente no cotidiano de muitos consultórios e hospitais, e sua utilização é legalizada para muitas especialidades.

Quer saber um pouco mais sobre o assunto? Então continue a leitura e conheça as principais aplicações e vantagens da telemedicina!

O QUE É TELEMEDICINA?

A telemedicina envolve o uso de tecnologias e processos digitais para a realização de procedimentos médicos. Essa prática nada mais é do que uma renovação da medicina convencional, nos casos em que é possível obter resultados precisos mesmo sem a presença física do paciente ou do médico.

Consultas, exames, atendimentos de emergência, rotinas administrativas, entre outros — todas essas ações podem acontecer por meio eletrônico, com o auxílio de equipamentos de telecomunicação e de softwares especializados.

Hoje, a telemedicina está inserida na dimensão da eHealth — a saúde digital —, e tem até uma regulamentação específica gerida pela ATA — American Telemedicine Association (em português, Associação Americana da Telemedicina).

Seu principal objetivo é otimizar processos e agilizar atendimentos, além de levar os cuidados médicos a populações que não têm condições de se locomoverem até centros de saúde físicos.

Além disso, a telemedicina pode garantir mais conforto ao paciente que tem qualquer tipo de constrangimento em relação ao seu problema médico, como pode acontecer em tratamentos para ejaculação precoce, ou quando o deslocamento é muito difícil para o doente.

COMO A TELEMEDICINA FUNCIONA?

Você já sabe o que é telemedicina, mas ainda parece difícil imaginar quais são suas aplicações práticas? Na verdade, não tem nada de complicado nas ações médicas digitais.

Pelo contrário, elas facilitam — e muito — a vida do paciente, a praticidade do atendimento para os profissionais da saúde e a gestão de prontuários. Seu uso integrado às ações tradicionais pode ampliar o alcance dos cuidados médicos, facilitando a promoção e a divulgação de conhecimento científico na área da saúde, bem como reduzir riscos de doenças.

Basicamente, a telemedicina pode acontecer por meio de três diferentes frentes de aplicação. São elas a teleducação, a teleassistência e a emissão de laudos a distância. A seguir, veja como elas funcionam na prática:

Teleducação

Essa frente é responsável pela disseminação de informações acerca da saúde, seja pela capacitação continuada dos profissionais, seja pela educação voltada à comunidade. Seus principais instrumentos de funcionamento são as videoconferências, as palestras, as videoaulas e outros programas educativos realizados por meio digital.

Teleassistência

A teleassistência consiste no atendimento médico feito a distância, e inclui consultas e exames digitais, ambulatórios virtuais, tratamentos monitorados a distância, cirurgias robóticas, assistência telefônica em casos de emergência etc.

Dentre as aplicações mais conhecidas da teleassistência, estão:

  • teleconsulta: nos casos que não se tratam de emergências — como em consultas pré-natais e acompanhamentos de rotina — é possível que o paciente seja atendido pelo médico por meio de uma plataforma digital;
  • telepatologia: por meio de amostras virtuais obtidas por meio de programas específicos, como imagens micro e macroscópicas, vídeos e análises, é possível chegar a diagnósticos bastante precisos sem que haja a necessidade de um exame físico;
  • telerradiologia: essa vertente da telemedicina permite a elaboração e o trânsito de laudos radiológicos com muito mais rapidez e agilidade, integrando o serviço de clínicas e hospitais com segurança;
  • teleoncologia: voltada para pacientes com câncer, a teleoncologia permite o debate sobre tratamentos, a orientação de procedimentos e a agilidade no acompanhamento de rotinas em oncologia;
  • telecirurgia: com o auxílio de tecnologias robóticas, também é possível realizar procedimentos cirúrgicos de baixa complexidade. Realizada pela primeira vez no Brasil em 2016, a cirurgia a distância já faz parte do cotidiano de hospitais de grande porte e de universidades que utilizam esse recurso para fins acadêmicos;
  • telemonitorização: utilizada, sobretudo, para o acompanhamento de doentes crônicos, a telemonitorização também pode ser útil em casos de emergência, como em uma intoxicação por automedicação ou afogamento.

Com o avanço das novas tecnologias, a tendência é que a gama de aplicações da teleassistência se expanda cada vez mais.

Emissão de laudos a distância
Além das funções já citadas, a telemedicina também está proporcionando uma mudança muito positiva no gerenciamento de documentos médicos por meio da emissão de laudos a distância — incluindo relatórios de consulta, Atestados de Saúde Ocupacional (ASOs) e exames laboratoriais, ultrassons, raios-x, eletrocardiogramas etc.

Os documentos digitais não perdem em nada para os físicos, ao contrário, otimizam processos e evitam o acúmulo de papéis no espaço físico das clínicas e hospitais.

Em instituições que já fazem uso de aparelhos analógicos, os laudos eletrônicos são gerados e lançados a partir de protocolos IoT (Internet das Coisas), que integram uma grande variedade de dispositivos de forma imediata.

QUAIS AS VANTAGENS DA TELEMEDICINA?

As vantagens que o uso da telemedicina nas rotinas médicas proporciona são muitas. Os benefícios vão desde a praticidade nos atendimentos, e o aumento da segurança e do conforto do paciente, até a redução de custos em processos. Veja:

Rapidez no atendimento

Tanto a realização de consultas virtuais quando a digitalização dos laudos médicos contribuem diretamente para a rapidez dos procedimentos. Reduzindo o tempo gerado por deslocamentos, principalmente nas grandes cidades, um médico consegue atender muito mais pacientes em um único dia.

Além disso, os sistemas eletrônicos para a gestão de prontuários facilitam não apenas a busca pelos documentos relacionados a cada caso, como também a organização de arquivos e a administração de processos burocráticos.

Segurança e conforto para o paciente

A telemedicina aumenta o conforto e a segurança nos casos em que o paciente se sente um pouco constrangido em relação ao seu problema. Isso normalmente ocorre nas consultas relacionadas às disfunções sexuais, como é o caso da disfunção erétil.

Sem contar que alguns pacientes, como os idosos, as gestantes e os deficientes físicos, podem ser beneficiados pelo atendimento a distância por não precisarem realizar grandes deslocamentos.

Redução de custos

Principalmente em relação à gestão eletrônica de documentos, a telemedicina pode reduzir bastante os custos das clínicas e hospitais, facilitando o corte de despesas com equipamentos e materiais de escritório.

A assistência médica remota também favorece uma diminuição no número de internações em hospitais, já que muitos pacientes que precisam de cuidados constantes podem ser acompanhados diretamente de suas casas.

Além de todos esses benefícios, a telemedicina é um importante instrumento para a divulgação de conhecimentos sobre saúde na comunidade científica, bem como uma grande aliada nos casos em que os recursos físicos são inacessíveis para a população.

Agora que você já sabe o que é telemedicina e quais as suas principais aplicações, conte para nós o que você acha dessa inovação! Deixe um comentário abaixo com a sua opinião.